sexta-feira , 18 agosto 2017
Últimas Notícias
Evangélica se torna alvo de críticas por anunciar que vai vender cabelo que não cortava há 14 anos

Evangélica se torna alvo de críticas por anunciar que vai vender cabelo que não cortava há 14 anos

Download PDF
 Em muitas igrejas evangélicas as mulheres têm como costume não cortar seus cabelos, fazendo com que muitas fiéis cultivem longas madeixas. A artesã Salete Madalena Schneider, de 47 anos, moradora de Campo Grande, cultivou por muito tempo este costume, e manteve seus cabelos longe da tesoura pelos últimos 14 anos. Porém, sua recente decisão de cortar os cabelos se tornou motivo de polêmica nas redes sociais.Fiel da igreja Assembleia de Deus Missões há duas décadas, Salete afirma ter decidido cortar o cabelo por motivos de saúde, visto que o peso do cabelo tem lhe causado dores de cabeça. Mas, ao anunciar nas redes sociais que queria vender as madeixas, ela logo virou algo de uma série de críticas.

– Sinto muita dor de cabeça e como ele é muito comprido, fico com ele muito tempo preso, então pesa – justifica.

O anúncio da vendo do cabelo foi feito no Facebook pela sobrinha da artesã. Mas logo que o anúncio foi publicado, muitas pessoas passaram a criticar a decisão de Salete, e até mesmo a questionar sua fé.

– Se é evangélica e, mesmo assim decidiu cortar, porque, então, não preferiu doar? – questionou um dos críticos.

– Eu pensei, mas aí eu dou para a pessoa, ela vende e lucra em cima de mim. Por isso eu decidi vender – respondeu a artesã, revelando ainda que usará o dinheiro para pagar algumas dívidas e visitar a filha em outra cidade.

Afirmando que o cabelo nunca recebeu nenhum tratamento com produtos químicos, ela espera receber um bom dinheiro pela venda e já estipulou um lance inicial: “R$ 800,00. A proposta mais alta, até agora, foi de R$ 900,00”, revela, ignorando as críticas que tem recebido.

Salete Madalena Schneider, de 47 anos

Salete Madalena Schneider, de 47 anos

Via: Gospel+

Comentários Via Facebook

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.