domingo , 22 outubro 2017
Últimas Notícias
Deus não se importa com o que o casal faz entre 4 paredes?

Deus não se importa com o que o casal faz entre 4 paredes?

Download PDF

Casais evangélicos movimentam mercado de produtos eróticos e afirmam: “Deus não se importa com o que o casal faz entre 4 paredes”

O sexo é um dos temas mais cercados de tabus nos meios religiosos. Porém, apesar de todos os tabus em torno do assunto, fiéis de várias denominações, inclusive de igrejas tradicionais, tem pregado a liberdade sexual e buscado em sexshops produtos eróticos para “apimentar” a relação.

Em uma reportagem feita pelo portal iG, vários casais evangélicos comentaram sobre essa busca por mais liberdade sexual e afirmaram que o sexo deve ser prazeroso e potencializado com produtos eróticos.

– Deus não se importa com o que o casal faz entre quatro paredes diz João Ribeiro, que é proprietário de um sexshop e membro da Congregação Cristã do Brasil, uma das igrejas mais tradicionais do País.

– O sexo que agrada a Deus é entre homem e mulher casados, ponto final. A Bíblia não menciona como deve ser feito. Se é em pé, sentado ou deitado. Da porta para dentro do quarto é o casal que cria as regras do jogo – completa Ribeiro, que afirma ainda que “os medos foram impostos por homens nos primeiros momentos da Igreja Cristã”.

Segundo ressaltado pelo iG, o grande número de denominações evangélicas existentes hoje no Brasil reflete também na pluralidade de opiniões sobre o que é certo e errado quando o assunto é sexo. Muitos pastores ainda debatem a prática do sexo oral e anal, fortemente proibidos pela Igreja Católica, enquanto outros defendem que vale tudo dentro de quatro paredes, e que o importante é a relação pessoal do casal com Deus.

Com essa mudança de comportamento entre vários evangélicos, o mercado de produtos eróticos já discute até mesmo o surgimento de sexshops especializados e um novo tipo de atendimento aos religiosos, com consultores de casais ou consultores matrimoniais.

Paula Aguiar, presidente da associação brasileira que representa este mercado, afirma que existe até mesmo a criação de uma nomenclatura especifica para atender esse público. Ela explica, por exemplo, que o sexo oral passa a ser chamado de “beijo na região íntima”, a palavra sexo é substituída pela relação afetiva e vibradores são citados como massageadores ou estimulantes íntimos.

Ribeiro comentou sobre sua decisão de abrir uma loja de produtos eróticos e conta que isso surpreendeu as pessoas de sua família. Sobre a igreja, ele revela que não fala diretamente para os outros fiéis sobre seu negócio e que ele e sua esposa, sócia na loja, se apresentam como “consultores de casais”.

– Na igreja, não falamos que vendemos produtos eróticos porque isso pode gerar constrangimento. Se perguntam, explicamos que somos consultores de casais e isso desperta muita curiosidade”, conta Lídia, esposa de João Ribeiro,

– Sempre ouvimos: “Mas ajudam como?”. Respondo que ajudamos o casal a se reaproximar e até esquentar a relação – completa.

 

Fonte: Gospel+

Comentários Via Facebook

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.